Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC)

TCC Psicologia: Terapia Cognitivo Comportamental em SP






Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC)

  • Preço: R$ 102,00
  • Agendamento: (11) 95091-1931 ou pelo site de agendamento da Psicóloga.
  • Psicóloga Maristela Vallim Botari: CRP-SP 06-121677. Atende desde 2012 em Terapia Cognitivo Comportamental pessoas com Ansiedade, depressão, Transtorno de Pânico, fobias, problemas de relacionamentos e estresse no trabalho.
  • Consultório: Av. Paulista, 2001 - Bela Vista - São Paulo - SP


Com base na obra "Terapia Cognitivo-Comportamental para leigos" de Rob Wilson e Rhena Branch, este artigo explora como a Terapia Cognitivo-Comportamental pode ajudar na compreensão de pensamentos disfuncionais, crenças centrais e na promoção da reeducação psicológica.

Recomendamos a leitura da obra para aqueles que desejam iniciar a Terapia Cognitivo-Comportamental ou se familiarizar com essa abordagem.

O que é A Terapia Cognitivo Comportamental (TCC)



é uma abordagem psicoterapêutica que se concentra na relação entre os pensamentos, sentimentos e comportamentos de uma pessoa. Ela se baseia na ideia de que os pensamentos distorcidos ou disfuncionais podem levar a emoções negativas e comportamentos inadequados. 

A TCC tem como objetivo ajudar o indivíduo a identificar e modificar esses pensamentos, crenças e comportamentos disfuncionais, a fim de melhorar o bem-estar emocional e a qualidade de vida. A TCC é estruturada e focada em objetivos, geralmente com duração entre 04 a 20 sessões. 

O terapeuta e o cliente trabalham juntos para identificar os padrões de pensamento e comportamento que estão contribuindo para os problemas emocionais do cliente. 

A TCC utiliza uma variedade de técnicas, como questionamento socrático, exposição gradual, dessensibilização sistemática, relaxamento, reestruturação cognitiva, entre outras. 

A TCC é uma das abordagens mais eficazes para tratar transtornos emocionais, como ansiedade, depressão, fobia social, transtorno obsessivo-compulsivo, transtorno de estresse pós-traumático, entre outros. 

Além disso, a TCC tem sido utilizada com sucesso em outras áreas, como no tratamento da dor crônica, transtornos alimentares, dependência química, transtornos de personalidade, entre outros.

Aaron Beck é um renomado psiquiatra americano, considerado um dos fundadores da Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC). Beck desenvolveu a TCC a partir da década de 1960, quando começou a questionar a eficácia da abordagem psicanalítica no tratamento da depressão. 

Beck observou que muitos de seus pacientes deprimidos apresentavam padrões de pensamento distorcidos e negativos. Ele desenvolveu então uma técnica para ajudá-los a identificar e modificar esses padrões de pensamento, chamada de "reestruturação cognitiva". 

Essa técnica é um dos pilares da TCC e consiste em ajudar o paciente a identificar seus pensamentos automáticos negativos, questioná-los e substituí-los por pensamentos mais realistas e positivos. 

Beck também desenvolveu outras técnicas para a TCC, como a exposição gradual, que é utilizada no tratamento de fobias e transtorno de estresse pós-traumático, e a dessensibilização sistemática, utilizada no tratamento de transtornos de ansiedade. 

A TCC desenvolvida por Beck tem sido amplamente estudada e comprovada como uma abordagem eficaz no tratamento de uma ampla gama de transtornos emocionais. 

Além disso, a TCC é uma abordagem flexível e adaptável, o que a torna útil em uma variedade de configurações clínicas e para pacientes com diferentes perfis e necessidades.


Terapia cognitivo comportamental para a ansiedade



A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) é uma abordagem terapêutica que tem sido amplamente utilizada para tratar uma variedade de transtornos mentais, incluindo a ansiedade. 

A TCC tem como objetivo ajudar os indivíduos a identificar e mudar padrões de pensamento e comportamento que podem estar contribuindo para seus sintomas de ansiedade.
 
Alguns dos benefícios da TCC para a ansiedade incluem: Identificação e mudança de padrões de pensamento negativos: A TCC ajuda os indivíduos a identificar e desafiar pensamentos negativos que podem estar aumentando seus sintomas de ansiedade. 

O terapeuta ensina habilidades para mudar esses padrões de pensamento negativos e substituí-los por pensamentos mais realistas e positivos. 

Aprendizado de técnicas de relaxamento: A TCC ensina aos indivíduos técnicas de relaxamento, como respiração profunda e meditação, que podem ajudar a reduzir a ansiedade e a tensão muscular. 

Exposição gradual: A TCC também usa técnicas de exposição gradual, nas quais os indivíduos são expostos a situações que desencadeiam ansiedade em um ambiente seguro e controlado. 

Essa abordagem ajuda os indivíduos a enfrentar seus medos e a aprender que podem lidar com a ansiedade de forma eficaz. 

Habilidades de resolução de problemas: A TCC ajuda os indivíduos a desenvolver habilidades de resolução de problemas e a identificar estratégias eficazes para lidar com situações estressantes. 

Resultados duradouros: A TCC é uma abordagem terapêutica orientada para objetivos e baseada em evidências. Vários estudos demonstraram que a TCC é eficaz no tratamento da ansiedade e pode levar a resultados duradouros. 

Em resumo, a TCC é uma abordagem terapêutica eficaz e comprovada para o tratamento da ansiedade. Ao ajudar os indivíduos a mudar seus padrões de pensamento e comportamento, a TCC pode ajudá-los a gerenciar a ansiedade de forma eficaz e melhorar sua qualidade de vida.


Terapia Cognitivo Comportamental para depressão.



A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) é uma abordagem terapêutica eficaz para o tratamento da depressão. A TCC tem como objetivo ajudar os indivíduos a identificar e mudar padrões de pensamento e comportamento que podem estar contribuindo para seus sintomas de depressão.


Alguns dos benefícios da TCC para a depressão incluem:


Identificação e mudança de pensamentos negativos: A TCC ajuda os indivíduos a identificar e desafiar pensamentos negativos que podem estar contribuindo para seus sintomas de depressão. O terapeuta ensina habilidades para mudar esses padrões de pensamento negativos e substituí-los por pensamentos mais realistas e positivos.


Aprendizado de habilidades comportamentais: A TCC ensina aos indivíduos habilidades comportamentais que podem ajudá-los a lidar com a depressão, como a prática de atividades agradáveis e o aumento da atividade física.


Exposição gradual: A TCC também usa técnicas de exposição gradual, nas quais os indivíduos são expostos a situações que desencadeiam ansiedade em um ambiente seguro e controlado. Essa abordagem ajuda os indivíduos a enfrentar seus medos e a aprender que podem lidar com a ansiedade de forma eficaz.


Habilidades de resolução de problemas: A TCC ajuda os indivíduos a desenvolver habilidades de resolução de problemas e a identificar estratégias eficazes para lidar com situações estressantes.


Resultados duradouros: A TCC é uma abordagem terapêutica orientada para objetivos e baseada em evidências. Vários estudos demonstraram que a TCC é eficaz no tratamento da depressão e pode levar a resultados duradouros.


Em resumo, a TCC é uma abordagem terapêutica eficaz e comprovada para o tratamento da depressão. Ao ajudar os indivíduos a mudar seus padrões de pensamento e comportamento, a TCC pode ajudá-los a gerenciar a depressão de forma eficaz e melhorar sua qualidade de vida.


Como funciona a Terapia Cognitivo-Comportamental

A Terapia Cognitivo-Comportamental é uma abordagem terapêutica altamente interativa, onde o paciente tem um papel ativo em seu próprio processo de cura. 

Durante as sessões, o paciente é encorajado a expressar suas queixas e preocupações, enquanto a psicóloga utiliza técnicas de escuta ativa e empatia para ajudar o paciente a compreender melhor seus pensamentos e comportamentos.


Um dos principais objetivos da TCC é ajudar o paciente a identificar e modificar seus pensamentos disfuncionais e crenças centrais que podem estar contribuindo para sua condição emocional. 


Por exemplo, um paciente com depressão pode ter uma crença central de que ele é "inútil" ou "incapaz", o que pode estar alimentando seus pensamentos negativos e baixa autoestima. 

A TCC ajudaria o paciente a identificar essa crença central e a substituí-la por pensamentos mais realistas e positivos.

Além da reestruturação cognitiva, a TCC também se concentra em modificar comportamentos problemáticos que podem estar contribuindo para a condição emocional do paciente. 

Por exemplo, um paciente com transtorno de ansiedade pode evitar situações que o deixam ansioso, o que pode reforçar sua ansiedade a longo prazo. 

A TCC ajudaria o paciente a enfrentar gradualmente essas situações e a aprender estratégias de enfrentamento para lidar com sua ansiedade.

Durante as sessões, a psicóloga pode utilizar uma variedade de técnicas e materiais de apoio para ajudar o paciente em seu processo de cura. 

Isso pode incluir exercícios cognitivos, leituras, música, filmes e outras formas de arte. O objetivo é encontrar as estratégias mais eficazes e adaptadas às necessidades específicas de cada paciente.

Distorções cognitivas

Na Terapia Cognitivo-Comportamental, as distorções cognitivas referem-se a padrões de pensamentos disfuncionais que podem levar a emoções negativas e comportamentos problemáticos. 

Existem vários tipos de distorções cognitivas que são comuns em pessoas com problemas emocionais. Alguns exemplos incluem:

Essas distorções cognitivas podem levar a um ciclo vicioso de pensamentos negativos, emoções negativas e comportamentos problemáticos. 

Na TCC, o objetivo é ajudar o paciente a identificar essas distorções cognitivas e a substituí-las por pensamentos mais realistas e positivos. Isso envolve questionar as evidências que sustentam esses pensamentos disfuncionais, considerar outras possibilidades e avaliar a validade desses pensamentos. 

Com o tempo e a prática, o paciente pode aprender a identificar e corrigir essas distorções cognitivas automaticamente, o que pode levar a uma melhora significativa em sua condição emocional.


As principais Distorçōes cognitivas, ou Pensamentos disfuncionais são:

  1. Catastrofização:
  2. Pensamento tudo-ou-nada;
  3. Adivinhação;
  4. Leitura de Pensamentos;
  5. Raciocínio Emocional:
  6. Generalização:
  7. Rotulacao:
  8. Inflexibilidade;
  9. Desqualificação do Positivo;
  10. Baixa Tolerância à Frustração;
  11. Personalização.


1. Catastrofização:

Catastrofização é uma distorção cognitiva na qual uma pessoa assume que um pequeno evento negativo terá consequências desastrosas e exageradas. Essa pessoa pode imaginar todos os tipos de resultados terríveis que podem decorrer desse evento negativo, mesmo que seja improvável que isso aconteça na realidade.

Um exemplo de catastrofização pode ser quando um pai ou mãe está esperando o retorno de seu filho adolescente após uma noite fora. 

Se o filho não chega na hora esperada, a pessoa pode começar a imaginar as piores possibilidades. 

Por exemplo, se o filho não chega em casa às 22h, a pessoa pode começar a imaginar que ele foi sequestrado ou sofreu um acidente grave. Às 22h05min, a pessoa pode achar que o filho aceitou uma carona de um motorista perigoso. 

Às 22h10min, pode estar convencida de que o filho sofreu um acidente grave e está sendo atendido por paramédicos no local. E às 22h15min, pode até estar chorando sobre a sepultura do filho, mesmo que ele ainda não tenha chegado em casa.

Na terapia cognitivo-comportamental, o terapeuta ajuda o paciente a identificar e corrigir essas distorções cognitivas, incluindo a catastrofização. 

A terapia pode ajudar a pessoa a examinar os fatos de forma mais objetiva e realista, em vez de assumir imediatamente que algo terrível está acontecendo ou vai acontecer.


2.  Pensamento tudo - ou - nada.

O pensamento do tipo "tudo ou nada" é um padrão extremo de pensamento que pode levar a emoções e comportamentos exagerados. 

É um pensamento radical que não permite meio termo ou nuances nas situações. 

Por exemplo, pensar que as pessoas ou te amam ou te odeiam, pensar que algo ou é perfeito ou desastroso, ou pensar que você é totalmente culpado ou totalmente inocente.


Usando um exemplo, imagine que você está seguindo uma dieta saudável para perder peso e de repente se depara com um doce tentador. Se você tem um pensamento do tipo "tudo ou nada", pode acreditar que todo o seu plano de dieta foi arruinado por causa de um único doce, o que levaria você a comer todos os outros doces na caixa.


Em resumo, o pensamento do tipo "tudo ou nada" é um pensamento rígido e inflexível que pode levar a comportamentos e emoções extremos. Na TCC, esse tipo de distorção cognitiva é identificado e trabalhado para ajudar o paciente a adotar um pensamento mais flexível e realista.


3. Adivinhação.

A distorção cognitiva da adivinhação ocorre quando uma pessoa faz previsões ou palpites sobre o futuro com base em informações limitadas ou sem considerar outras possibilidades. 

Embora às vezes possamos acertar nossas previsões, muitas vezes elas são imprecisas e baseadas em nossas próprias expectativas e crenças, em vez de fatos concretos. 

Essa tendência a adivinhar pode levar a erros de julgamento e à adoção de comportamentos inadequados para a situação real.


4. Leitura de pensamentos


"Você está conversando com alguém quando ele olha por cima do seu ombro, desfaz o contato visual, e boceja. Você imediatamente conclui que a outra pessoa está achando a conversa enfadonha e que elepreferia estar falando com outra pessoa que não você." (p. 26)


De acordo com Wilson e Branch (2005), a leitura de pensamento é uma distorção cognitiva que se caracteriza pela tendência de imaginar o que as outras pessoas estão pensando com base em supostas expressões faciais ou outras pistas comportamentais, sem evidências objetivas para apoiar essas conclusões.


Essa tendência pode levar a interpretações incorretas e até mesmo prejudiciais sobre as intenções e emoções dos outros, resultando em conflitos interpessoais e problemas de comunicação.


Essa distorção pode ocorrer em diferentes contextos, como no trabalho, na escola, nas relações pessoais e nas interações sociais em geral. 

Pessoas que tendem a fazer leituras de pensamento podem acreditar que sabem o que os outros estão pensando ou sentindo, sem se dar conta de que essas suposições são baseadas em percepções subjetivas e podem estar erradas.


É importante lembrar que as expressões faciais e outras pistas comportamentais podem ser enganosas e que a leitura de pensamento pode ser prejudicial para a saúde mental e emocional de todos os envolvidos. 

Portanto, é fundamental adotar uma abordagem mais objetiva e comunicativa ao tentar entender as emoções e intenções das outras pessoas.


5 . Raciocínio Emocional

O raciocínio emocional, portanto, é uma tendência a acreditar que os nossos sentimentos refletem a realidade objetiva, e isso pode levar a distorções cognitivas e a uma visão deturpada da realidade.

Essa tendência pode nos levar a tomar decisões precipitadas ou baseadas em emoções, em vez de avaliar objetivamente os fatos e as evidências disponíveis. 

É importante aprender a reconhecer e a gerenciar as emoções, e não permitir que elas governem nossas ações e pensamentos.

Ao compreender que os sentimentos não são fatos concretos, mas apenas uma parte da experiência humana, podemos adotar uma abordagem mais equilibrada e objetiva diante dos desafios e das situações da vida, e tomar decisões mais conscientes e informadas.


6. Generalização

Segundo Wilson & Blanch:

Generalização é quando, a partir de um ou mais episódios, você conclui queo resultado destes episódios pode ser aplicado aos próximos. 

Quando você percebe estar pensando “sempre”, “nunca”, “as pessoas são..., ou “o mundo é...”,você está generalizando. (p. 28).

A generalização é uma distorção cognitiva em que tiramos uma conclusão geral a partir de apenas um ou alguns eventos específicos, sem considerar outras informações ou evidências relevantes. 

Isso pode levar a conclusões precipitadas e imprecisas, que não refletem necessariamente a realidade.

Por exemplo, se você teve uma experiência ruim com uma pessoa de determinada nacionalidade, pode ser tentado a generalizar e pensar que todas as pessoas dessa nacionalidade são iguais. 

Isso não é apenas injusto e preconceituoso, mas também não leva em consideração as diferenças individuais que existem em qualquer grupo de pessoas.

Ao pensar em termos de "sempre", "nunca", "todas as pessoas" ou "todo o mundo", estamos generalizando e simplificando a complexidade do mundo em que vivemos. 

Essa forma de pensamento pode nos levar a tirar conclusões erradas, gerar estereótipos, e limitar nossas experiências e oportunidades.


É importante lembrar que cada situação é única, e que as pessoas e o mundo são complexos e diversificados. 

Ao reconhecer e questionar nossas generalizações, podemos expandir nossa compreensão e evitar julgamentos precipitados e imprecisos.

7. Rotulação


"É o processo de rotular pessoas e episódios, acontecem em qualquerlugar. Por exemplo, pessoas que têm baixa autoestima rotulam a si mesmas como “inúteis”, “inferiores” ou “inadequadas”. 

Se você rotula as outras pessoas como “ruins” ou “inúteis”, é provável que você acabe ficando irritado com elas. 

Ou talvez você rotule o mundo como “inseguro” ou “totalmente injusto”? O erro aqui é que você está rotulando coisas de forma generalizada e que são complexas demais para terem um rótulo generalizado. 

Além disso, quando você tem pensamentos extremistas e rígidos, pode ser mais difícil se adaptar às mudanças e às variações da vida. 

Se você está fixado em uma maneira específica de pensar ou de agir, pode não estar aberto a outras possibilidades ou alternativas que poderiam ser mais benéficas ou apropriadas em determinadas situações. 

Por exemplo, se você está rigidamente preso à ideia de que "precisa" fazer algo de uma certa maneira, pode perder a chance de aprender e de crescer ao explorar outras maneiras de fazer a mesma coisa.

Portanto, é importante ser mais flexível em seus pensamentos e crenças, em vez de se apegar a pensamentos extremistas e rígidos. 

Ao ser mais adaptável e aberto a diferentes possibilidades e alternativas, você pode aumentar sua resiliência e sua capacidade de se adaptar às mudanças e desafios da vida.

"Comemore a complexidade. 

Todos os seres humanos – incluindo você – são únicos, multifacetados e em constante mudança. Rotular a si mesmo como um fracasso por causa de uma única falha é um formaextrema de generalizar. 

Da mesma forma, as outras pessoas são tão únicase complexas como você. Uma má ação não é a mesma coisa que ser uma pessoa má." (Wilson & Branch, p. 29).

O processo de rotular é uma distorção cognitiva que consiste em atribuir um rótulo a uma pessoa, objeto ou situação, sem levar em consideração a complexidade e a diversidade do mundo em que vivemos. 

Esses rótulos geralmente são simplificações e generalizações que podem levar a pensamentos negativos, emoções intensas e comportamentos inadequados.


Por exemplo, quando uma pessoa com baixa autoestima se rotula como "inútil" ou "inferior", ela está se limitando e se restringindo em sua vida, sem considerar suas habilidades e potencialidades. Da mesma forma, rotular outras pessoas como "ruins" ou "inúteis" pode levar a sentimentos de raiva, hostilidade e conflito, sem permitir que se veja a complexidade e a diversidade de cada indivíduo.


Ao rotular o mundo como "inseguro" ou "totalmente injusto", também estamos simplificando demais a realidade e não levando em conta a diversidade de experiências e percepções que existem. Isso pode levar a um estado de ansiedade e medo, prejudicando a capacidade de aproveitar a vida e enfrentar desafios.


É importante reconhecer que as pessoas, objetos e situações são complexos e diversificados, e não podem ser reduzidos a um rótulo simples. Ao sermos mais conscientes dos nossos pensamentos e das nossas tendências a rotular, podemos ampliar nossa compreensão do mundo, aceitar a diversidade e lidar com as situações de uma forma mais construtiva e equilibrada.



8. Inflexibilidade

“Pensamentos e crenças que contêm palavras como “devo”,“deveria”, “preciso”, “é necessário”, “tenho” são frequentemente problemáticas porque são extremistas e rígidas.”  [...]A inflexibilidade do que você exige de si mesmo, do mundo que o cerca e dasoutras pessoas, com frequência significa que você não se adapta à realidade tanto quanto poderia. (Wilson & Branch, p. 30).


Os pensamentos e crenças que contêm palavras como "devo", "deveria", "preciso", "é necessário" e "tenho" são comumente referidos como pensamentos absolutistas ou extremistas, porque são muito rígidos e inflexíveis. Essas palavras implicam uma necessidade inquestionável de se comportar ou de se pensar de uma maneira específica, sem levar em consideração as nuances e complexidades da vida.


Quando você se exige a fazer algo ou a pensar de uma determinada maneira, isso pode criar uma pressão interna e um senso de obrigatoriedade que, muitas vezes, pode ser prejudicial para sua saúde mental e física. Por exemplo, se você se diz que "precisa" ser perfeito em tudo o que faz, isso pode levar a um estado constante de ansiedade, estresse e insatisfação com suas realizações.


Além disso, quando você tem pensamentos extremistas e rígidos, pode ser mais difícil se adaptar às mudanças e às variações da vida. 

Se você está fixado em uma maneira específica de pensar ou de agir, pode não estar aberto a outras possibilidades ou alternativas que poderiam ser mais benéficas ou apropriadas em determinadas situações. 

Por exemplo, se você está rigidamente preso à ideia de que "precisa" fazer algo de uma certa maneira, pode perder a chance de aprender e de crescer ao explorar outras maneiras de fazer a mesma coisa.


Portanto, é importante ser mais flexível em seus pensamentos e crenças, em vez de se apegar a pensamentos extremistas e rígidos. Ao ser mais adaptável e aberto a diferentes possibilidades e alternativas, você pode aumentar sua resiliência e sua capacidade de se adaptar às mudanças e desafios da vida.


9. Desqualificação do Positivo

"Desqualificar o positivo é um mecanismo mental que transforma um episódiopositivo em um episódio neutro ou negativo. [...] Você acredita que você é inútil e incapaz de ser apreciado pelos outros. Você responde a uma promoção no trabalho pensando “Isso não conta, porque qualquer um poderia conseguir isso”. Resultado, ao invés de se sentir feliz, você acaba se sentindo desapontado” (Wilson & Branch, p. 32).

Desqualificar o positivo é um tipo de pensamento distorcido em que uma pessoa minimiza ou desconsidera suas realizações, conquistas ou experiências positivas, reduzindo a importância delas. Esse mecanismo mental pode ser um sinal de baixa autoestima e pode levar a uma visão pessimista da vida.


Por exemplo, se alguém recebe um elogio pelo seu trabalho e responde dizendo que "foi sorte" ou "não foi nada demais", essa pessoa está desqualificando o positivo. Esse tipo de pensamento pode ter um efeito negativo na autoestima, já que a pessoa não reconhece seu próprio valor e sucesso.


No exemplo dado pelo livro, uma pessoa desqualifica uma promoção no trabalho, dizendo que qualquer um poderia conseguir isso, o que acaba reduzindo a importância do sucesso e não permite que ela aproveite a conquista e sinta alegria com isso. Esse tipo de pensamento pode levar a sentimentos de desânimo, frustração e desvalorização de si mesmo. É importante reconhecer e celebrar as próprias conquistas, para ajudar a aumentar a autoestima e a motivação para alcançar novos objetivos.



10. Baixa Tolerância à Frustração

“Baixa tolerância a frustração refere-se ao erro de supor que quando uma coisa parece ser difícil de ser tolerada, ela é intolerável. Este modo de pensarsignifica aumentar o desconforto e não tolerar o desconforto temporárioquando é do seu interesse fazê-lo em prol de algo que você almeja” (Wilson & Branch, p. 33).

Baixa tolerância à frustração é a dificuldade de lidar com situações desafiadoras, desconfortáveis ou frustrantes. É uma tendência a considerar qualquer desconforto como insuportável e, portanto, buscar formas de evitá-lo ou eliminá-lo imediatamente.


Essa maneira de pensar pode levar a evitar desafios e buscar apenas atividades que sejam fáceis e confortáveis, limitando o crescimento pessoal e profissional. Além disso, pode gerar ansiedade, estresse e outros problemas de saúde mental, pois não se aprende a lidar com as dificuldades da vida.


Ao invés de evitar as situações que geram desconforto, é importante desenvolver a habilidade de tolerá-las temporariamente para alcançar objetivos de longo prazo. Isso requer aceitação da situação presente e a habilidade de se manter firme, mesmo diante de dificuldades temporárias.


Dessa forma, é possível aprender com as situações de frustração e desenvolver a resiliência emocional, a perseverança e a capacidade de lidar com as adversidades. É importante lembrar que a vida é repleta de desafios e que a habilidade de tolerar a frustração é essencial para superá-los e alcançar o sucesso.


11. Personalização.

A personalização é a tendência de achar que tudo o que acontece tem relação direta com você.

Nem sempre conseguimos identificar nossas distorções cognitivas (pensamentos disfuncionais e/ou distorcidos).

Tais pensamentos distorcidos impedem que você faça uma experiencia realista e, em muitos casos, podem levar o individuo a perder contato com a realidade, especialmente quando tornou-se um hábito falar cultivar estes pensamentos distorcidos e não questioná-los.


E deste modo, as pessoas tomam decisões precipitadas e

desviam do caminho adequado ou induzem à distorção dos fatos. 

No entanto, você tem a capacidade de parar, olhar para trás, e reavaliar a maneira como você tem pensado, e achar seu ponto de equilíbrio. 

Meses ou anos após o evento, provavelmente você recordou uma dolorosa ou embaraçosa experiência e ficou preso à ideia do quão diferente você se sentiu sobre isso naquela época. 

Talvez você até consiga rir sobre isso agora. E por quevocê não riu no passado? Por causa da maneira como você estava pensandonaquela época. (Wilson & Branch, p. 19)



Proibido o Plágio: O conteúdo deste site é protegido pela Lei 9610/98.

Psicóloga Sp: Terapia Cognitivo Comportamental em SP 


Há quanto tempo você não desabafa com alguém?

Ou apenas de algumas sessões de Acolhimento Humanizado.



A Terapia Cognitivo Comportamental é um tratamento de curta/média duração, indicada para casos de depressão, ansiedade, dificuldade de relacionamento,




Assista os vídeos do canal de Psicologia no Youtube sobre relacionamentos, comportamento humano, Psicoterapia e Psicologia.

Leia também alguns artigos neste Blog da Psicóloga SP 



Av. Paulista, 2001 – cj 1911 Bela Vista, São Paulo/SP 
CEP 01311-000 

Referências:
Consultório de Psicologia fica numa região bastante acessível de SP.



Postar um comentário

0 Comentários

Sobre a Psicóloga

Se você, ou alguém muito especial, atravessa momentos dolorosos, em busca de Ajuda emocionala Psicóloga sp Maristela convida para iniciar uma terapia ou continuar um Tratamento Psicológico.

.
Psicóloga  Maristela Vallim Botari - CRP/SP 06-121677 Sempre em busca da Excelência dos atendimentos psicológicos, afinal não existe distância entre a Psicologia e você.

Psicóloga  Maristela Vallim Botari - CRP/SP 06-121677

Sempre em busca da Excelência dos atendimentos psicológicos, afinal não existe distância entre a Psicologia e você.

Psicóloga SP com mais de 12 anos de experiência profissional acolhendo indivíduos de diferentes faixas etárias em psicoterapia, com uma abordagem humanizada e centrada na pessoa. 

Atende crianças a partir de 10 anos, adultos, casais e também indivíduos na terceira idade como psicóloga Online e Presencial em SP.


    • Missão: oferecer um espaço seguro e confidencial para que seus clientes possam explorar seus pensamentos, emoções e comportamentos, e trabalhar em direção a uma vida mais saudável e satisfatória.
    • Visão: Sua abordagem é adaptada às necessidades e objetivos específicos de cada cliente, com foco em ajudá-los a superar desafios emocionais, psicológicos e comportamentais.
    • Valores: Acredita que a psicoterapia é uma ferramenta valiosa para aprimorar o autoconhecimento e o bem-estar, e estou comprometido em fornecer um ambiente de apoio, empatia e compreensão para cada pessoa que busque seus serviços.

YouTube Logo - Psicóloga SP Videos

 

  • Abordagens Psicológicas a psicóloga utiliza:

    • Acolhimento Humanizadovisa tornar a consulta psicológica mais natural. Esta abordagem elimina julgamentos de valor, comentários desnecessários, perguntas indiscretas e sem propósito.
    • Introdução a NeuroPsicologia

Modalidade de atendimento:

ATENDIMENTOS PSICOLÓGICOS

Quem pode passar pela Psicóloga? Pessoas em geral, não necessariamente pessoas com transtornos mentais.
  • Público: Atende crianças a partir de 10 anos, adultos, casais e também indivíduos na terceira idade.

Preço da consulta Psicológica
Tipo de Terapia
Modalidade Preço da Sessão
1ª. Sessão Individual Presencial/Online R$ 98,00
Psicoterapia Individual Adultos Presencial/Online R$ 109,00
Psicoterapia Infantil (+10 anos) Presencial R$ 109,00
Psicoterapia Casal Presencial R$ 198,00
Políticas de Atendimento Social
Informações -


Os agendamentos de consultas psicológicas devem ser feitos pelo site (clique no botão abaixo), ou pelo 


Caso a agenda não mostre um horario adequado às suas necessidades, você pode entrar em Contato direto e agendar sua sessão de terapia direto com a Psicóloga sp.

Agende aqui uma sessão com a Psicóloga. O Acolhimento Humanizado começa aqui.


Agendar consulta com psicóloga online ou presencial em SP

M

Psicóloga SP,  Bela vista, psicólogo zona sul sp, psicólogos sp, psicólogo centro sp, psicólogo online psicoterapia sp, psicólogos em são Paulo, Psicologo SP, Converse com a Psicóloga em SP. por whatsapp: Psicólogos online e Presencial Av. Pauli

terapia casal sp, atendimento psicológico online, atendimento online, psicólogo apoio, psicológico online, site de psicologia online, psicologa zona norte sp, Psicologa zona leste sp, psicóloga zona sul, sp, psicóloga zona oeste sp, melhores psicólogos de sp, consulta com psicóloga online, neuropsicologo online, psicólogo online preço, psicologo online whatsapp,


ta com psicologa sp